Umbanda para todos

Vídeos

Loading...

Pesquisar

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Lampião, Maria Bonita e bando do cangaço




Virgulino Ferreira da Silva, mais conhecido como Lampião, nasceu em 7 de julho de 1897 na pequena fazenda dos seus pais em Vila Bela, atual município de Serra Talhada, no estado de Pernambuco. Era o terceiro filho de uma família de oito irmãos.

Lampião desde criança demonstrou-se excelente vaqueiro. Cuidava do gado bovino, trabalhava com artesanato de couro e conduzia tropas de burros para comercializar na região da caatinga, lugar muito quente, com poucas chuvas e vegetação rala e espinhosa, no alto sertão de Pernambuco (chama-se Sertão as regiões interiores e distantes do litoral, onde reinava a lei dos mais fortes, os ricos proprietários de terras, que detinham o poder econômico, político e policial). Em 1915, acusou um empregado do vizinho José Saturnino de roubar bodes de sua propriedade. Começou, então, uma rivalidade entre as duas famílias. Quatro anos depois, Virgulino e dois irmãos se tornaram bandidos. Matavam o gado do vizinho e assaltavam. Os irmãos Ferreira passaram a ser perseguidos pela polícia e fugiram da fazenda. A mãe de Virgulino morreu durante a fuga e, em seguida, num tiroteio, os policiais mataram seu pai. O jovem Virgulino jurou vingança.

Lampião formou o seu bando a princípio com dois irmãos, primos e amigos, cujos integrantes variavam entre 30 e 100 membros, e passou a atacar fazendas e pequenas cidades em cinco estados do Brasil, quase sempre a pé e às vezes montados a cavalo durante 20 anos, de 1918 a 1938.

Existem duas versões para o seu apelido. Dizem que, ao matar uma pessoa, o cano de seu rifle, em brasa, lembrava a luz de um lampião. Outros garantem que ele iluminou um ambiente com tiros para que um companheiro achasse um cigarro perdido no escuro.

Comparado a Robin Hood, Lampião roubava comerciantes e fazendeiros, sempre distribuindo parte do dinheiro com os mais pobres. No entanto, seus atos de crueldade lhe valeram a alcunha de "Rei do Cangaço". Para matar os inimigos, enfiava longos punhais entre a clavícula e o pescoço. Seu bando seqüestrava crianças, botava fogo nas fazendas, exterminava rebanhos de gado, estuprava coletivamente, torturava, marcava o rosto de mulheres com ferro quente. Antes de fuzilar um de seus próprios homens, obrigou-o a comer um quilo de sal. Assassinou um prisioneiro na frente da mulher, que implorava perdão. Lampião arrancou olhos, cortou orelhas e línguas, sem a menor piedade. Perseguido, viu três de seus irmãos morrerem em combate e foi ferido seis vezes.

Grande estrategista militar, Lampião sempre saía vencedor nas lutas com a polícia, pois atacava sempre de surpresa e fugia para esconderijos no meio da caatinga, onde acampavam por vários dias até o próximo ataque. Apesar de perseguido, Lampião e seu bando foram convocados para combater a Coluna Prestes, marcha de militares rebelados. O governo se juntou ao cangaceiro em 1926, lhe forneceu fardas e fuzis automáticos.

Em 1929, conheceu Maria Déa, a Maria Bonita, a linda mulher de um sapateiro chamado José Neném. Ela tinha 19 anos e se disse apaixonada pelo cangaceiro há muito tempo. Pediu para acompanhá-lo. Lampião concordou. Ela enrolou seu colchão e acenou um adeus para o incrédulo marido. Levou sete tiros e perdeu o olho direito.

O governo baiano ofereceu 50 contos de réis pela captura de Lampião em 1930. Era dinheiro suficiente para comprar seis carros de luxo.

Lampião morreu no dia 28 de julho de 1938, na Fazenda Angico, em Sergipe. Os trinta homens e cinco mulheres estavam começando a se levantar, quando foi vítima de uma emboscada de uma tropa de 48 policiais de Alagoas, comandada pelo tenente João Bezerra. O combate durou somente 10 minutos. Os policiais tinham a vantagem de quatro metralhadoras Hotkiss. Lampião, Maria Bonita e nove cangaceiros foram mortos e tiveram suas cabeças cortadas. Maria foi degolada viva. Os outros conseguiram escapar.

O cangaço terminou em 1940, com a morte de Corisco, o "Diabo Loiro", o último sobrevivente do grupo comandando por Lampião. 

Maria Bonita
primeira mulher cangaceira, mulher de Lampião


A primeira mulher a participar de um grupo de cangaceiros. Assim foi Maria Gomes de Oliveira, conhecida como Maria Bonita. Nascida em 8 de março de 1911 (não por acaso o Dia Internacional da Mulher!!) numa pequena fazenda em Santa Brígida, Bahia e filha de pais humildes Maria Joaquina Conceição Oliveira e José Gomes de Oliveira, Maria Bonita casou-se muito jovem, aos 15 anos. Seu casamento desde o início foi muito conturbado. José Miguel da Silva, sapateiro e conhecido como Zé Neném vivia às turras com Maria. O casal não teve filhos. Zé era estéril.

A cada briga do casal, Maria Bonita refugiava-se na casa dos pais. E foi, justamente, numa dessas “fugas domésticas” que ela reencontrou Virgulino, o Lampião, em 1929. Ele e seu grupo estavam passando pela fazenda 
da família. Virgulino era antigo conhecido da família Oliveira. Esse trajeto era feito com freqüência por ele. Era uma espécie de parada obrigatória do cangaceiro.


Os pais de Maria Bonita gostavam muito do “Rei do Cangaço”. Ele era visto com respeito e admiração pelos fazendeiros, incluindo Maria. Sem querer a mãe da moça serviu de cupido entre ela e Lampião. Como? Contando ao rapaz a admiração da filha por ele. Dias depois, Lampião estava passando pela fazenda e viu Maria. Foi amor à primeira vista. Com um tipo físico bem brasileiro: baixinha, rechonchuda, olhos e cabelos castanhos Maria Bonita era considerada uma mulher interessante. A atração foi recíproca. A partir daí, começou uma grande história de companheirismo e (por que não!) amor.

Um ano depois de conhecer Maria, Lampião chamou a “mulher” para integrar o bando. Nesse momento, Maria Bonita entrou para a história. Ela foi a primeira mulher a fazer parte de um grupo do Cangaço. Depois dela, outras mulheres passaram a integrar os bandos.

Maria Bonita conviveu durante oito anos com Lampião. Teve uma filha, Expedita, e três abortos. Como seguidora do bando, Maria foi ferida apenas uma vez. No dia 28 de julho de 1938, durante um ataque ao bando um dos casais mais famosos do País foi brutalmente assassinado. Segundo depoimento dos médicos que fizeram a autópsia do casal, Maria Bonita foi degolada viva. 

PAPEL DA MULHER NO BANDO DOS CANGACEIROS


O papel das mulheres foi muito importante. Até 1928 Lampião não aceitava mulheres no bando, mas quando conheceu Maria Bonita mudou sua opinião e permitiu outras mulheres ali.

Há quem diz que Lampião começou aperder terreno por causa das mulheres, pois na hora de fujir elas ficavam pra trás limpando o acampamento. Era uma visão machista sobre as mulheres...Na realidade elas não tinham uma função específica. Interessante é que elas nao cozinhavam, era tão poucas no grupo que foram eexcluídas dessde trabalho.

Cada dia um cozinhava. Outra coisa é que as mulheres não costuravam. Haviam grandes costureiros no grupo, um deles bem famoso chamado Luiz Pedro que morreu depois de tentar fujir. Não havia machismo no grupo dos cangaceiros, a não ser quando havia infidelidade .

As mulheres não carregavam nenhum punhal nem fuzil, apenas pistolas automáticas. Elas era muito jovens e várias tiveram filhos durante esse período. Na foto ao lado, Maria Bonita, mulher de Lampião.

Bando de Lampião e Maria Bonita:









16 comentários:

  1. Hummm , uma vez eu vi uma historia no programa do ratinho sobre o lampiao, que noss peguei medo dele =S , seila se era porque eu era criança, mas isso fico na minha cabeça! uhahah
    Ariana Magnani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmã (o), Se vc for ver a história de Lampião e Maria Bonita "inteira" realmente é de dar medo! Ele não foi um super herói, mas sim um bandido cruel do cangaço!

      Excluir
  2. AMEI O BLOG...ACESSA O MEU E COMENTE TAMBÉM ...TEM SOBRE UMBANDA DIVERSAS COISAS LAH..^^BJBJ

    ResponderExcluir
  3. a doro a historia de lanpiao sou do candonble e conheso virgulino na umbando e de maiss adoro

    ResponderExcluir
  4. minha vo tinha uma foto com lampiao mas rasgarammm.... q pena..

    ResponderExcluir
  5. Eu amo lampiao e sua historia desde menina tudo que fala sobre ele me interessa e na umbanda ele e meu cumpadre

    ResponderExcluir
  6. eu sou umbandista! e no terreiro que frequento o casal desce em terra. dizem que é lindo demais.. eu não sei porque quem recebe a maria sou eu :) e o lampião baixa no meu pai de santo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. minha madrinha recebe maria bonita que nem vc e muito legal eu sou camboni e sou da nação umbandista

      Excluir
  7. Gostaria de saber se pode ter mais de uma Maria Bonita no terreiro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Tarde, todas as entidades são por FALANGES .. então há possibilidade sim de ter mais de uma entidade com o MESMO nome no terreiro

      Excluir
  8. Maria Bonita quando vem em terra num terreiro ela vem na linha de baianos ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Laura, então, dependendo da casa e do pai ou mãe de Santo, se um deles tiver a entidade chefe como CANGACEIROS há possibilidade de vir a linha só do cangaço, mas isso vai de terreiro para terreiro !!!!

      Excluir
  9. Ola... sou frequentadora da Umbanda e gostaria de esclarecer uma duvida. Si alguem puder mi responder... é verdade que só incorpora Maria Bonita quem tambem trabalha com Maria Padilha ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, até hoje não ouvi falar nisso !!!!

      Excluir
  10. Olá sou da umbanda e queria sabe se os cangaceiros de lampião, em corpora também

    ResponderExcluir